Manuais Gestão Estratégica

Primeiras Versões testes

Revisão Documental

https://view.joomag.com/revisao-documental/M0592380001557510334

 

Encontro com Movimentos Sociais

https://view.joomag.com/encontro-movimentos-sociais/M0822286001557511585

 

Oficina Sprint Ampeo

https://view.joomag.com/sprint-ampeo/M0886131001557511733

 

Manual da Gestão Estratégica 2018-2023 ( Versão Preliminar)

https://view.joomag.com/manual-da-gestao-estrategica-2018-2023-versao-preliminar/M0013668001558023683

 

 

 

Treinamento customizado em Gestão por Processos – BPT

O Escritório de Processos, instalado na Gerência Ministerial de Planejamento e Gestão, é o responsável pelo acompanhamento de processos considerados essenciais para o suporte operacional e bom andamento das atividades do MPPE, através do monitoramento, avaliação e revisão dos mesmos. No intuito de promover a eficiência operacional visando a materialização da estratégia organizacional foi estabelecido no mapa estratégico do novo ciclo de gestão, na perspectiva Processos, eixo temático Efetividade, o objetivo estratégico Padronizar e uniformizar processos de trabalho.

Nesse sentido, para aperfeiçoamento da metodologia de Escritório de Processos implantada desde 2013, e para garantir o alinhamento às necessidades da instituição bem como a atualização da cadeia de valor estabelecida naquele mesmo ano, a gestão estratégica promoveu, nos últimos dias 06, 07 e 08 de novembro a realização do Treinamento customizado em Gestão por Processos – BPT em dois módulos: módulo 1 – Gestão da Rotina e Transformação e módulo 2 – Construção de Cadeia de Valor.

O Módulo 1 – Gestão da Rotina e Transformação, acontecido nos dias 06 e 07, propiciou a capacitação de uma equipe de 28 pessoas em bases e quadros conceituais consagrados em gerenciamento de processos, a exemplo do BPM – Business Process Management, customizados para transformações em ambiente de organizações públicas, e o SDCA e PDCA, modelos direcionados para a gestão da rotina e melhoria contínua das atividades e processos.

Já o Módulo 2 – Teoria e Prática da construção da cadeia de valor, acontecido no dia 08, contou com 20 representantes de todos os macroprocessos da instituição e teve por produto final a construção/revisão da cadeia de valor da instituição

O treinamento foi ministrado pela Elogroup Desenvolvimento e Consultoria, que é referência nacional, no setor público e privado, na área de transformação de processos. Seus colaboradores possuem publicações relevantes sobre o tema, incluindo artigos acadêmicos e livros.

 

 

I Mostra de Processos do Ministério Público

 

Por três dias(9. 10 e 11 de outubro)  18 unidades do Ministério Público Brasileiro participaram da I  Mostra de Processos. O evento foi realizado no auditório da sede da Procuradoria-Geral do Estado, localizado no Edf. Ipsep, na Rua do Sol, no bairro Santo Antônio/Recife PE.  Participaram mais de 60 pessoas e  ao longo do evento  foram apresentado e analisados cerca de 32 cases  de processos abrangendo um total de 18 unidades ministeriais.

A Mostra teve por tema “Processo como ferramenta de execução da estratégia” e objetivou apresentar casos e experiências de processos bem-sucedidos, sensibilizar as unidades e ramos do Ministério Público sobre a importância do gerenciamento de Processos.

A Mostra  proporcionou o debate entre as unidades e ramos do Ministério Público sobre a Gestão de Processos com a apresentação de casos e experiências positivas na temática, buscando disseminar a implantação de área responsável pela gestão de processos nas unidades e ramos do Ministério Público. As unidades também foram  estimuladas a inscreverem os  Processos Organizacionais no Banco Nacional de Processos do CNMP.

E em especial os cases apresentados pelo  MPPE durante o  evento estão inseridos como uma das atividades abrangidas em seu novo Mapa Estratégico 2018-2023, na perspectiva de Processos e dentro dos Objetivos Aprimorar a Governança e a Gestão Estratégica e Padronizar e Uniformizar Processos de Trabalho.

MPLabs: Desafios do MPPE para soluções tecnológicas desperta interesse de empresas no Porto Digital

 Os desafios são a origem de toda iniciativa inovadora. Nesta quarta-feira (5),  o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) cumpre mais uma etapa do seu Ciclo de Inovação Aberta, batizado de MPlay. A Instituição, por meio do Laboratório de Inovação MP Labs, apresentou ao ecossistema produtivo do Porto Digital os 14 desafios definidos pelos seus integrantes como prioritários para solução de problemas do MPPE, a fim de que as empresas de tecnologia proponham soluções modernas. As ideias serão recebidas e analisadas pelo MP Labs, para permitir o desenvolvimento de protótipos de soluções para o aperfeiçoamento da atuação institucional.

“Foram mais de 40 empresas inscritas e todos os desafios tiveram interessados. Em termos de adesão de empresas, convergência e qualidade de apresentação e participação, podemos ter a certeza que esse dia foi exitoso”, comemorou o coordenador da Coordenação Ministerial de Tecnologia da Informação (CMTI), Évisson Lucena.

Nesta quinta-feira (5), em mais uma etapa do MPlay, as empresas e a equipe do CMTI vão discutir os desafios de maneira mais técnica, apresentar as propostas prévias para soluções, abertas, inclusive, para formação de consórcio entre elas para desenvolvimento dos protótipos. Há também a probabilidade de um desafio ser acoplado a outro para que uma única solução tecnológica seja desenvolvida. “O conceito de inovação aberta está sendo traduzido no evento; há uma convergência de interesses que nos gera uma expectativa muito boa para as próximas etapas do ciclo de inovação”, complementou Évisson Lucena.

Os 14 desafios foram traçados a partir de oficinas realizadas no âmbito do MPPE e incluem medidas para amplificar a atuação dos membros e servidores no combate à sonegação fiscal, defesa do patrimônio público, promoção dos direitos de crianças e adolescentes, dentre outros.

Promotores de Justiça participaram da explanação de cada desafio e expuseram com exemplos práticos as dificuldades que enfrentam no exercício do cargo. Descreveram as peculiaridades da atuação institucional e qual deveria ser o foco das soluções a ser projetadas, tirando dúvidas dos profissionais das empresas de tecnologia.

“O MPLbas é um esforço do procurador-geral de Justiça, Francisco Dirceu Barros, que destina recursos do orçamento do MPPE para aprimorar os serviços tecnológicos da Instituição. Nossa perspectiva quanto ao projeto é a melhor possível.Estamos apresentando os desafios ao mercado, em busca das melhores soluções tecnológicas para que o MPPE suba de nível em excelência. O Porto Digital é uma referência internacional nesse ecossistema criativo e tem muito a nos oferecer em termos de de produtos e serviços, com foco em trazer uma melhor prestação de serviço para a sociedade”, ressaltou o secretário-geral do MPPE, promotor de Justiça Alexandre Bezerra.

“Para nós, que temos um pouco mais tempo de casa, é muito satisfatório poder vir aqui, propor a inovação, adequando o MPPE aos novos tempos. Essa parceria que estamos propondo ao Porto Digital é uma iniciativa em nome da população, para nos ajudar a servir melhor ao povo pernambucano”, ressaltou a subprocuradora-geral de Justiça em Assuntos Institucionais Laís Teixeira, que representou o procurador-geral de Justiça na abertura do evento.

Para Maurício Carvalho, responsável pela área de inovação aberta do Porto Digital, o principal mérito do trabalho integrado é permitir a adesão de pessoas com conhecimento especializado, tanto do meio acadêmico quanto empresarial, para pensar soluções. O Porto Digital abriu um chamamento público prévio e diversas empresas se inscreveram para participar do evento. “Os presentes vieram conhecer melhor os desafios e dizer como poderiam contribuir para construir as soluções. O programa de inovação aberta tem ainda a contrapartida de trazer a oportunidade de os atores externos criarem soluções que podem ser exploradas comercialmente, gerando empregos aqui dentro do Porto Digital”, detalhou.

Texto e imagens produzidos pela AMCS e publicado em 05/09/2018 no sitio do MPPE.

Gestão Estratégica 2018-2023 realiza Oficinas de Indicadores

Entre os dias 13 e 16 de agosto a Gestão Estratégica 2018-2023, seguiu avançando mais uma etapa prevista em seu cronograma.   Foram convocados 97 pessoas, entre membros e servidores, para participarem de 3  Oficinas de Indicadores.

Lembrando  que os indicadores têm o propósito de testar o progresso da organização em direção aos objetivos estratégicos. O princípio é simples: se não há medição, não há controle, e , se não há controle, não há gerenciamento.

Os trabalhos foram conduzidos pela Assessoria de Planejamento por meio de sua Gerência de Estatística e por membros do Núcleo de Apoio Executivo.

Os oficinas tiveram o seguinte roteiro:

Abertura por membro do Núcleo de Apoio Executivo e uma apresentação sobre indicadores.  Em seguida os convocados foram distribuídos em grupos onde cada grupo se detinha sobre um Objetivo Estratégico .

ETAPA 1 – CONTEXTUALIZAÇÃO DO OBJETIVO ESTRATÉGICO

Nesta etapa o grupo analisava os seguintes itens relativos ao objetivo estratégico de sua área de atuação:

Indicativos de sucesso: fatos, elementos ou resultados indicam que o objetivo foi alcançado

Stakeholders: instituições, atores ou organizações que influenciam o alcance do objetivo

Fatores críticos de sucesso: desafios, obstáculos ou restrições que, se não superados, podem impedir o alcance do objetivo

ETAPA 2 – ANÁLISE DO FLUXO DE VALOR

Os grupos  definem os indicadores, que eram classificados de acordo com os seguintes critérios:

Insumos: medem os recursos para execução das atividades. Incluem recursos humanos, financeiros e infraestrutura.

Processos: medem as atividades requeridas para gerar os resultados esperados. Incluem acompanhamento em termos de tempo e taxa de utilização.

E por fim na etapa final usando os elementos das etapas anteriores como subsídios, cada grupo criava a Ficha de Identidade do Indicador.

ETAPA 3 – DESCRIÇÃO DO INDICADOR

Detalhar os indicadores Resultado/Entrega:

Meta: especificada segundo o critério SMART – específica, mensurável, alcançável, relevante e ter uma medida limite;

Tomada de decisão: ações de correção de rumo caso o indicador não atinja a meta estabelecida;

Responsável: responsável pela medição;

Descrição: descrição do indicador;

Entregas: medem produtos ou serviços criados através dos insumos. Incluem resultados quantificáveis

Todos os dados ao final são tabulados, analisados e refinados pela Gerência de Estatística em conjunto com o Núcleo de Apoio da Gestão Estratégica, e  apresentados para validação pelo Comitê Gestor. Posteriormente serão  disponibilizados na Intranet e no Portal da Transparência.

 

Gestão Estratégica 2018-2023 :MPLabs organiza suas principais demandas para que Porto Digital estude ferramentas de resolução

Em mais um passo buscando soluções inovadoras e eficientes para o Ministério Público de Pernambuco (MPPE), junto ao Porto Digital, a iniciativa MPLabs (Laboratório de Inovações Tecnológicas e de Negócio do MPPE) reuniu membros e servidores, nesta sexta-feira (10), no Design Center, no bairro do Recife Antigo. O evento contou com a presença de integrantes da Rede de Planejamento, da Assessoria Ministerial de Planejamento e Estratégia Organizacional (Ampeo), do Comitê Estratégico de Tecnologia da Informação (Ceti), além de representantes do próprio MPLabs e do Porto Digital.

Tratou-se da primeira oficina para discutir os problemas elencados pelos promotores de Justiça em todo o Estado, através das viagens da equipe de Gestão Estratégica do MPPE pelas 14 circunscrições, como também os que foram levantados nas primeiras palestras e oficinas do MPLabs, em fevereiro deste ano.

“Os problemas já foram identificados pelos membros do MPPE. Agora, estamos investigando as causas deles. Existem outros problemas que não foram objetos de discussão, porque não os priorizamos neste primeiro momento. A decisão se deve a uma entrega mais célere de resultado dessa primeira fase”, explicou o presidente do MPLabs e também presidente do Comitê Estratégico de Tecnologia da Informação (Ceti), Antônio Rolemberg.   

Segundo Rolemberg, a análise das problemáticas será submetida à comunidade de inovação do Porto Digital. “Eles vão estudar ferramentas viáveis, resolutivas e com possibilidade de serem expandidas, que eles se interessarem em produzir, para que elas possam auxiliar membros e servidores na rotina de lidar com as demandas”, pontuou Rolemberg.

“Fizemos uma curadoria dos principais desafios que o MPPE precisa resolver de maneira prática e com soluções tecnológicas de inovação. O Porto Digital vai nos ajudar a encontrar parceiros, startups, empresas, etc, que possam nos oferecer ferramentas que nos contemplem”, adiantou o analista ministerial e integrante do MPLabs Roberto Arteiro.

 

Para os participantes, a experiência foi proveitosa e modernizadora. “É sempre bom poder parar e pensar sobre a nossa Instituição. O trabalho do MPLabs tem sido no sentido de nos provocar a nos repensar. Vivemos um dia a dia de correria e, muitas vezes, sem tempo de parar e refletir como fazer diferente”, revelou a promotora de Justiça Alice Moraes, promotora de Justiça, que atua no Cabo de Santo Agostinho.

Ela também citou um exemplo prático que foi abordado nas discussões da oficina. “Tratamos de educação e das nossas deficiências no combate à evasão escolar. Começamos a visualizar que não combatemos as reais causas da evasão. Saímos atrás do aluno, atrás da família, mas qual realmente o motivo dos índices de evasão em determinada escola e em determinada região. Pode ser que ali seja uma causa bem específica. Se tivermos uma ferramenta que consiga nos dar um diagnóstico do perfil desses alunos e o motivo pelo qual se evadem das escolas, nosso trabalho seria muito mais eficiente”, atestou Alice Moraes.

“Estamos caminhando na direção do futuro. Vamos transformar o MPPE no MP mais moderno e tecnológico do país. O caminho é longo, mas já demos os primeiros passos com a decisão estratégica da Ceti e política da Procuradoria Geral de Justiça em fazer esse tipo de investimento”, afirmou o secretário-geral do MPPE, Alexandre Bezerra.

Missão– O MPLabs tem como papel fomentar a inovação no âmbito do MPPE, através da promoção de capacitações, da busca de novas tecnologias, da coordenação do desenvolvimento de projetos inovadores e da busca e captação de recursos para os investimentos nessa área.

*Texto da AMCS e publicado originalmente no sitio do MPPE em 10/08/2018

Gestão Estratégica 2018-2023. Oficina: Perspectiva dos Processos Internos.

O objetivo do planejamento estratégico é avaliar as implicações futuras das decisões tomadas no presente, para que as decisões estratégicas sejam tomadas com mais rapidez, segurança e eficácia. Sistematizando-se o planejamento, reduz-se a incerteza que caracteriza qualquer processo decisório, aumentando as possibilidades de alcance dos objetivos, dos desafios e das metas estabelecidos pela organização.

Trata-se de um processo dinâmico, por meio do qual são definidos os caminhos que a organização deverá trilhar a partir de um comportamento pró-ativo, levando em conta a análise de seu ambiente, em consonância com a sua razão de existir, a fim de construir o seu futuro desejado.

Dando continuidade aos trabalhos já desenvolvidos até agora,   foram convocados 82 pessoas, entre membros e servidores para participarem  da Oficina da Gestão Estratégica  onde serão indicados os objetivos  que farão parte do Mapa Estratégico 2018-2023, na perspectiva Processos Internos e relacionados a: Governança, Comunicação, Relacionamento e Integração, Efetividade Institucional e Inovação.

Data: 10 de maio de 2018 (quinta-feira)

Hora: 08h00min às 17h00min.

Local: Faculdade Salesiana do Nordeste – FASNE: Rua Dom Bosco,

551, Boa Vista, Recife/PE

Pauta:

  1. Abertura dos trabalhos pela Subprocuradora-Geral de Justiça em Assuntos Institucionais;
  2. Apresentação da metodologia de trabalho;
  3. Atividades para definição dos Objetivos Estratégicos das Perspectivas de Processos Internos e Recursos;
  4. Apresentação dos resultados;
  5. 5Apresentação das etapas seguintes do projeto de revisão do ciclo de Gestão Estratégica 2018-2023;
  6. Encerramento pela Subprocuradora-Geral de Justiça em Assuntos Institucionais

 

Procuradores de Justiça colaboram com a Gestão Estratégica do ciclo 2018-2023

06/04/2018 – Os procuradores de Justiça se reuniram nesta sexta-feira (6), nas dependências da Faculdade Salesiana do Nordeste (Fasne), na Boa Vista, para a quarta oficina regional de Gestão Estratégica do Ciclo 2018-2023, com o objetivo de darem sua contribuição para o mapa estratégico que o Ministério Público de Pernambuco usará como norte de ações para os próximos seis anos. O encontro tem o apoio institucional da Fasne.

A assessora ministerial de Planejamento e Estratégia Organizacional, Sueli Nascimento, explicou os conceitos dos objetivos estratégicos da área fim do MPPE Público e os seus desdobramentos, na forma de projetos e iniciativas institucionais. “O planejamento estratégico visa definir as prioridades do MPPE”, comentou ela.

A equipe da Gestão Estratégica entregou aos procuradores presentes uma lista de demandas sociais colhidas em oficinas com a sociedade. Cada procurador elencou os itens conforme uma escala de prioridades, a fim de que os resultados fossem tabulados para gerar um banco de dados estruturado.

A partir do cruzamento da relevância atribuída a cada temática pela sociedade e pelos membros do MPPE serão selecionados os pontos considerados como prioritários, que vão constituir os objetivos estratégicos do mapa que será usado no ciclo 2018-2023.

Nos encontros realizados anteriormente, este mês e no mês passado, foram consultados os promotores de Justiça. Segundo Sueli Nascimento, após a colaboração dos procuradores de Justiça chega a vez dos servidores. “Ao finalizarmos a perspectiva de resultados institucionais, teremos a oficina com a atividade meio para definir qual o suporte a ser dado ao que foi definido como prioridade”, explicou ela.

A previsão é que, no próximo dia 13, os gerentes de divisão, de departamento, coordenadores da atividade meio do MPPE e também administradores de sede, tanto da capital quanto do interior, estarão reunidos para trabalhar a perspectiva de processos internos, de pessoal, tecnologias, orçamento e comunicação necessários para o ciclo 2018-2023.

 

Gestão estratégica colhe contribuições dos promotores Cíveis e de Cidadania da Capital

   

05/04/2018 – Os promotores de Justiça Cíveis e de Cidadania, que atuam na Capital, participaram, nesta quinta-feira (5), da quarta oficina Regional da Gestão Estratégica do Ciclo 2018-2023 no Ministério Público de Pernambuco (MPPE), coordenada pela Assessoria Ministerial de Planejamento. O evento se deu nas dependências da Faculdade Salesiana do Nordeste (Fasne), na Boa Vista, com o apoio institucional da Fasne.

Eles debateram e elencaram os novos rumos da Instituição para os próximos seis anos, de acordo com o que consideram ações prioritárias do MPPE para trazer mais cidadania e justiça à sociedade pernambucana.

“Nossa missão é ser uma Instituição próxima do cidadão, transformadora da realidade social e com efetividade e respeito às necessidades da população”, frisou a subprocuradora para Assuntos Institucionais, Lúcia de Assis, que representou o procurador-geral de Justiça, Francisco Dirceu Barros.

O encontro foi mais um dos agendados neste início de ano para que os promotores e procuradores de Justiça façam uma construção coletiva do planejamento estratégico do MPPE. “Queremos ouvir os colegas para elaborar conjuntamente a nossa gestão nos próximos seis anos e aplicá-la de forma discutida e consensual”, comentou Lúcia de Assis.

Com a definição das prioridades do MPPE para o ciclo 2018-2023, o mapa estratégico será formatado de modo a embasar os projetos, metas, processos, automação, infraestrutura, otimização de recursos e capacitação de pessoal para que a atividade fim consiga atingir resultados satisfatórios dentro das demandas escolhidas como prioritárias.

“O planejamento estratégico trata-se de um processo contínuo, que vai se renovando e melhorando”, afirmou o promotor de Justiça Eduardo Lessa, que atua na Capital e faz parte do Núcleo de Gestão Estratégica do MPPE.

Os presentes participaram de oficinas, nas quais traçaram, sozinhos e depois em grupos, as demandas sociais que consideram as mais importantes a serem tratadas pelo MPPE. Os servidores participantes da Gestão Estratégica coletam os dados e os tabulam para montarem o mapa das prioridades.

 

 

]