Gestão Estratégica 2018-2023 realiza Oficinas de Indicadores

Entre os dias 13 e 16 de agosto a Gestão Estratégica 2018-2023, seguiu avançando mais uma etapa prevista em seu cronograma.   Foram convocados 97 pessoas, entre membros e servidores, para participarem de 3  Oficinas de Indicadores.

Lembrando  que os indicadores têm o propósito de testar o progresso da organização em direção aos objetivos estratégicos. O princípio é simples: se não há medição, não há controle, e , se não há controle, não há gerenciamento.

Os trabalhos foram conduzidos pela Assessoria de Planejamento por meio de sua Gerência de Estatística e por membros do Núcleo de Apoio Executivo.

Os oficinas tiveram o seguinte roteiro:

Abertura por membro do Núcleo de Apoio Executivo e uma apresentação sobre indicadores.  Em seguida os convocados foram distribuídos em grupos onde cada grupo se detinha sobre um Objetivo Estratégico .

ETAPA 1 – CONTEXTUALIZAÇÃO DO OBJETIVO ESTRATÉGICO

Nesta etapa o grupo analisava os seguintes itens relativos ao objetivo estratégico de sua área de atuação:

Indicativos de sucesso: fatos, elementos ou resultados indicam que o objetivo foi alcançado

Stakeholders: instituições, atores ou organizações que influenciam o alcance do objetivo

Fatores críticos de sucesso: desafios, obstáculos ou restrições que, se não superados, podem impedir o alcance do objetivo

ETAPA 2 – ANÁLISE DO FLUXO DE VALOR

Os grupos  definem os indicadores, que eram classificados de acordo com os seguintes critérios:

Insumos: medem os recursos para execução das atividades. Incluem recursos humanos, financeiros e infraestrutura.

Processos: medem as atividades requeridas para gerar os resultados esperados. Incluem acompanhamento em termos de tempo e taxa de utilização.

E por fim na etapa final usando os elementos das etapas anteriores como subsídios, cada grupo criava a Ficha de Identidade do Indicador.

ETAPA 3 – DESCRIÇÃO DO INDICADOR

Detalhar os indicadores Resultado/Entrega:

Meta: especificada segundo o critério SMART – específica, mensurável, alcançável, relevante e ter uma medida limite;

Tomada de decisão: ações de correção de rumo caso o indicador não atinja a meta estabelecida;

Responsável: responsável pela medição;

Descrição: descrição do indicador;

Entregas: medem produtos ou serviços criados através dos insumos. Incluem resultados quantificáveis

Todos os dados ao final são tabulados, analisados e refinados pela Gerência de Estatística em conjunto com o Núcleo de Apoio da Gestão Estratégica, e  apresentados para validação pelo Comitê Gestor. Posteriormente serão  disponibilizados na Intranet e no Portal da Transparência.

 

Gestão Estratégica 2018-2023 :MPLabs organiza suas principais demandas para que Porto Digital estude ferramentas de resolução

Em mais um passo buscando soluções inovadoras e eficientes para o Ministério Público de Pernambuco (MPPE), junto ao Porto Digital, a iniciativa MPLabs (Laboratório de Inovações Tecnológicas e de Negócio do MPPE) reuniu membros e servidores, nesta sexta-feira (10), no Design Center, no bairro do Recife Antigo. O evento contou com a presença de integrantes da Rede de Planejamento, da Assessoria Ministerial de Planejamento e Estratégia Organizacional (Ampeo), do Comitê Estratégico de Tecnologia da Informação (Ceti), além de representantes do próprio MPLabs e do Porto Digital.

Tratou-se da primeira oficina para discutir os problemas elencados pelos promotores de Justiça em todo o Estado, através das viagens da equipe de Gestão Estratégica do MPPE pelas 14 circunscrições, como também os que foram levantados nas primeiras palestras e oficinas do MPLabs, em fevereiro deste ano.

“Os problemas já foram identificados pelos membros do MPPE. Agora, estamos investigando as causas deles. Existem outros problemas que não foram objetos de discussão, porque não os priorizamos neste primeiro momento. A decisão se deve a uma entrega mais célere de resultado dessa primeira fase”, explicou o presidente do MPLabs e também presidente do Comitê Estratégico de Tecnologia da Informação (Ceti), Antônio Rolemberg.   

Segundo Rolemberg, a análise das problemáticas será submetida à comunidade de inovação do Porto Digital. “Eles vão estudar ferramentas viáveis, resolutivas e com possibilidade de serem expandidas, que eles se interessarem em produzir, para que elas possam auxiliar membros e servidores na rotina de lidar com as demandas”, pontuou Rolemberg.

“Fizemos uma curadoria dos principais desafios que o MPPE precisa resolver de maneira prática e com soluções tecnológicas de inovação. O Porto Digital vai nos ajudar a encontrar parceiros, startups, empresas, etc, que possam nos oferecer ferramentas que nos contemplem”, adiantou o analista ministerial e integrante do MPLabs Roberto Arteiro.

 

Para os participantes, a experiência foi proveitosa e modernizadora. “É sempre bom poder parar e pensar sobre a nossa Instituição. O trabalho do MPLabs tem sido no sentido de nos provocar a nos repensar. Vivemos um dia a dia de correria e, muitas vezes, sem tempo de parar e refletir como fazer diferente”, revelou a promotora de Justiça Alice Moraes, promotora de Justiça, que atua no Cabo de Santo Agostinho.

Ela também citou um exemplo prático que foi abordado nas discussões da oficina. “Tratamos de educação e das nossas deficiências no combate à evasão escolar. Começamos a visualizar que não combatemos as reais causas da evasão. Saímos atrás do aluno, atrás da família, mas qual realmente o motivo dos índices de evasão em determinada escola e em determinada região. Pode ser que ali seja uma causa bem específica. Se tivermos uma ferramenta que consiga nos dar um diagnóstico do perfil desses alunos e o motivo pelo qual se evadem das escolas, nosso trabalho seria muito mais eficiente”, atestou Alice Moraes.

“Estamos caminhando na direção do futuro. Vamos transformar o MPPE no MP mais moderno e tecnológico do país. O caminho é longo, mas já demos os primeiros passos com a decisão estratégica da Ceti e política da Procuradoria Geral de Justiça em fazer esse tipo de investimento”, afirmou o secretário-geral do MPPE, Alexandre Bezerra.

Missão– O MPLabs tem como papel fomentar a inovação no âmbito do MPPE, através da promoção de capacitações, da busca de novas tecnologias, da coordenação do desenvolvimento de projetos inovadores e da busca e captação de recursos para os investimentos nessa área.

*Texto da AMCS e publicado originalmente no sitio do MPPE em 10/08/2018

Gestão Estratégica 2018-2023: Oficinas de Indicadores Estratégicos

A Gestão Estratégica 2018-2023, é chegado o momento da criação dos Indicadores Estratégicos.  Para tanto cabe explicitar alguns conceitos básicos que irão nortear os trabalhos a serem desenvolvidos.

 

 

O que é um indicador de desempenho?

É um “veículo de comunicação”, pois permite aos gestores de uma organização  que comunique aos demais quão eficiente é um processo é, e como está seu desempenho ao longo de um período determinado.

Para que servem os indicadores?  

 Eles têm o propósito de testar o progresso da organização em direção aos objetivos estratégicos. O princípio é simples: se não há medição, não há controle, e , se não há controle, não há gerenciamento.

De posse dessas informações, cabe ao gestor e equipe tomar medidas tais como projetos, planos de ação e iniciativas  para  atingir determinadas metas ou até mesmo para saberem se estão no caminho certo.

Como são construídos os indicadores?

Cada indicador é detalhado em atributos para garantir sua compreensão e operacionalização.  Na área-fim os atributos são buscados junto aos sistemas e bases de dados informatizadas. Para cada indicador há uma fórmula específica.  Em geral são utilizados os parâmetros/dados contidos na Tabela de Taxonomia do CNMP.

Um grupo de membros e servidores especialistas em determinada temática/assunto são consultados e em conjunto com a Gerência de Estatística estabelecem quais dados/métricas serão utilizados. Posteriormente as informações são repassadas para a área de Tecnologia de Informação para estabelecer formas de coleta e  emissão dos relatórios.

Serão realizadas duas oficinas nos dias 13 e 15 de agosto  conforme programação. 

 

Local: Escola Superior do Ministério Público – ESMP

Horário: Das 9h00min. às 17h00min.

Dia 13/08/2018 –

Temas:  Assegurar direito à saúde;

  • Assegurar os direitos da criança e do adolescente;
  • Enfrentar a criminalidade comum, inclusive nos crimes violentos vetais
  • intencionais;
  • Defender o patrimônio público com foco no enfrentamento à
  • improbidade administrativa;
  • Assegurar o direito à educação;
  • Defender o meio ambiente e o desenvolvimento sustentável;
  • Enfrentar a criminalidade organizada, inclusive no tráfico de drogas.

Dia 15/08/2018

Temas:  Assegurar os Direitos dos Grupos Vulneráveis

  • Pessoas com Deficiência;
  • Mulher;
  • Pessoa Idosa;
  • Comunidades Tradicionais.